Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

A África Está Fortemente Interessada em Criptomoedas

De acordo com um estudo realizado pela Arcane Research and Luno, uma empresa de análise de dados, Gana, Uganda, Nigéria e Quênia estão incluídas na lista de dez países que realizam pesquisas no Google relacionadas ao termo “Bitcoin”.
O número de volumes de trading e pessoas que detêm criptomoedas aumentou significativamente no continente africano.
De acordo com este estudo, a África é uma das áreas em que o uso de criptomoedas é promissor, porque muitas pessoas não têm acesso a serviços bancários, as moedas estão sujeitas a inflação contínua e os métodos de pagamento são muito caros. Além disso, a população média é muito jovem, o que ajuda na disseminação de criptografia.
A África do Sul é o centro de criptomoedas
A maior taxa de pessoas que possuem criptomoedas no continente Africano encontram-se na África do Sul com 13%, logo em seguida encontra-se a Nigéria com 11%.
A Dash, uma criptomoeda especializada na área de pagamentos e comércio eletrônico, iniciou um projeto este mês em colaboração com a Ankerpay para a instalação de caixas eletrônicos onde é possivel comprar e vender criptomoedas.
O principal objetivo do projeto é tornar o mundo das criptomoedas mais conhecido na África Subsaariana, já que nesta região do continente os custos de comissões por serviços bancários são muito altos e em alguns países a maioria das populações tem dificuldade em trocar de moedas com outros países fora do continente. A África do Sul é o quinto país do mundo em adoção de criptomoedas.
América Latina é superada pela África Subsariana
Os volumes ponto a ponto alcançaram um novo recorde de US $ 9,2 milhões. Muitos Bitcoins foram comprados usando o xelim queniano nos últimos tempos. O Egito e Marrocos também estão incluídos na lista de países onde há um forte aumento no interesse de criptomoedas.
Os volumes de BTC na África Subsaariana excederam os da América Latina, passando assim para a segunda posição, seguindo apenas os Estados Unidos.

Leia Também: Crypto em África: Desafios e Oportunidades

Escreva o seu comentário