Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Criptomoedas: Maturação e Adopção do Bitcoin Continuará a Bom Ritmo

Tom Jessop, o chefe da Fidelity Digital Assets, afirmou recentemente que a adopção e o amadurecimento das criptomoedas e a inclusão dos activos digitais numa classe de investimentos potenciais deverá aumentar muito nos próximos anos.

A concretização desta previsão seria uma indicação de que as criptomoedas terão finalmente convencido os reguladores e os financiadores a vê-las como algo mais do que activos marginais.

Por outro lado, também significaria que os reguladores reconheceram-nas como uma fonte confiável de renda, negociação e uma parte vital de qualquer economia.

Aumento da taxa de adopção de criptomoedas

Tom-Jesoop-criptomoedas-criptomoeda-bitcoin-adopção-fidelity-
Tom Jessop, Chefe da Fidelity

O chefe da Fidelity afirmou que o aumento da adopção deve-se a 3 elementos fundamentais:

  • As taxas de juros extremamente baixas;
  • O ambiente socio-econômico impulsionado por políticas de enriquecimento rápido;
  • E o medo de perder.

Estes elementos ajudaram o Bitcoin e as criptomoedas de modo geral a ganharem força considerável nos últimos anos.

As criptomoedas, segundo o chefe da Fidelity, estão, portanto, a ser vistas como alternativas viáveis para os activos que estão cada vez mais caros e nem sempre oferecem os maiores retornos sobre os investimentos (ROI).

Tecnologia blockchain e descentralização, o ponto forte das criptomoedas

Blockchain-Tecnologia-bitcoin-plataforma

As criptomoedas são, por natureza, muito voláteis e imprevisíveis, mas existem duas razões principais pelas quais os investidores estão dispostos a correr os riscos:

A primeira é que as criptomoedas utilizam a tecnologia blockchain e, portanto, há menos chance do usuário ter os seus dados hackeados ou roubados. Apesar das fugas de dados por conta de roubo de informações pessoais levadas a cabo por malfeitores ainda serem uma realidade.

Neste ponto em específico, há já fortes medidas adicionais a serem adoptadas por muitas exchanges de modo evitar as fugas, tais como a introdução de autenticação de dois fatores e várias senhas.

Voltando ao ponto inicial, a tecnologia blockchain também regista cada transacção feita nela e, portanto, é muito improvável que o usuário perca qualquer informação neste sentido também.

A segunda razão para os investidores arriscarem tudo deve-se ao facto das criptomoedas serem descentralizadas. O que exclui no seu ecossistema a presença de governos, bancos ou outros órgãos reguladores de terceiros.

Esta natureza descentralizada é, aliás, uma das razões que levou muitas instituições financeiras a taxarem as criptomoedas como sendo algo negativo, porque não sendo controladas por nenhuma entidade central, não há formas de impor normas da sua utilização.

O Bitcoin é actualmente a maior criptomoeda do mundo, contando com uma valorização de mercado de 1 trilhão de dólares e um preço acima dos 55.000 dólares por unidade.


LEIA TAMBÉM


Cardano Lançará Contratos Inteligentes a Partir de Agosto Deste Ano

O Crime de Criptomoedas Nem Sempre Envolve um Hack Contra Carteiras ou Exchanges – O Exemplo Chega-nos da Itália

%d bloggers like this: