Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Bloqueio: CoinGeko e CoinmarketCap Estão Inacessíveis na China

Os sites CoinGeko e CoinmarketCap, dois dos principais sites de rastreamento de preços de criptomoedas, estão actualmente inacessíveis aos usuários da China continental.

De acordo com os resultados apresentados pelo Comparitech, um site que permite ver se um domínio específico foi ou não bloqueado na China, o CoinGeko e o CoinmarketCap encontram-se bloqueados pelo firewall de internet da China.

Apesar de não se saber quando os sites se tornaram inacessíveis na China, tudo indica que o bloqueio não foi imposto pelos sites em causa, mas sim pela agência de censura da Internet da China, órgão responsável pelo grande firewall pertencente à Administração do Ciberespaço da China (CAC).

A repressão às criptomoedas soma e segue na China

ChinaChina-repressoChina-repressão-ChinaChina-repressoChina-repressão-cripChinaChina-repressoChina-repressão-criptomoedas-ChinaChina-repressoChina-repressão-ChinaChina-repressoChina-repressão-cripChinaChina-repressoChina-repressão-criptomoedas-mercado-do-coingedo-coingekodo-coingeko-coinmCoinmarketCap-sites-site-proibicao-sites-site-proibição-bloqueio-bloqueio--bloqueio-chineses-chines

Caso se comprove o envolvimento das autoridades chinesas no bloqueio dos dois sites mais procurados pelos usuários de criptomoedas, este seria outro golpe duro ao mercado de criptomoedas, sobretudo aos usuários situados na China, que teriam de recorrer a Redes Virtuais Privadas (VPN) para driblar o bloqueio.

As autoridades chinesas têm assumido uma postura cada vez mais dura contra as criptomoedas. E o gigante asiático já ameaçou proibir definitivamente as criptomoedas de uma forma ou de outra em várias ocasiões, isto desde 2013.

E, apesar das acções das autoridades chinesas não terem tido um impacto duradouro em todos estes anos, a China vem mostrando desde o início de 2021 que quer levar o assunto mais a sério.

China reforçou a 15 de Maio as medidas de repressão às criptomoedas

Em Maio último, o país deu iniciou a uma onda de repressão na qual se incluia a proibição da mineração de Bitcoin e de todas outras criptomoedas.

Em consequência, muitas empresas do sector viram-se abrigadas a interromper as suas operações no país, procurando se instalar noutros países com legislações flexíveis, dentre os quais: o Cazaquistão e os EUA.

ChinaChina-repressoChina-repressão-ChinaChina-repressoChina-repressão-cripChinaChina-repressoChina-repressão-criptomoedas-ChinaChina-repressoChina-repressão-ChinaChina-repressoChina-repressão-cripChinaChina-repressoChina-repressão-criptomoedas-mercado-do-coingedo-coingekodo-coingeko-coinmCoinmarketCap-sites-site-proibicao-sites-site-proibição-bloqueio-bloqueio--bloqueio-chineses-chines

Entretanto, os acontecimentos de Maio último foram apenas o início de uma postura que viria se mostrar ainda mais dura nos meses seguintes.

Nesta linha, o banco central chinês anunciou, no passado dia 15 de Setembro, a proibição de todas actividades relacionadas às criptomoeda, desde a mineração, negociação e a prestação de serviços no sector.

Desde 2013, esta é a medida com a maior implicação directa no mercado de criptomoedas chinês e global, apesar de não ter causado grandes flutuações de preços como ocorreu após a proibição da mineração em Maio deste ano.


LEIA TAMBÉM


Cardano Alia-se à Chainlink Para Facilitar Integração de Contratos Inteligentes

Análise de Mercado: Ethereum, Bitcoin e ADA Registam Baixas Contínuas