Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Crypto em África: Desafios e Oportunidades

1. As criptomoedas são populares em África?

Em abril, os dados do Google Trends revelaram que Lagos, capital da Nigéria, tem o maior volume de pesquisas on-line do mundo para Bitcoin (BTC). Muito disso é causado pela frustração com as soluções de pagamento existentes, com empresas como o PayPal que impedem os nigerianos de receber transferências internacionais de dinheiro por causa da reputação do país em fraudes. Como resultado, milhões de consumidores inocentes estão a sofrer porque não têm escolha a não ser usar as opções que cobram taxas altas. Algumas pessoas consideram as criptomoedas como uma solução perfeita, que permite que os empreendedores africanos recebam pagamentos à medida que criam conexões comerciais em todo o mundo.

Pesquisas também revelaram que  África, é um hub para o m-commerce, é um ponto de acesso quando se trata de possuir cryptos. Cerca de 5,5% dos usuários adultos da Internet em todo o mundo possuem algum tipo de moeda digital, mas três nações africanas estão acima dessa média. De acordo com o Hootsuite’s 2019 Global Digital Yearbook, 10,7% dos sul-africanos possuem criptografia – a mais alta de todos os países pesquisados. A Nigéria também ocupa a lista em 7,8%, com Gana em 7,3%.

2. Por que os países africanos estão tão interessados em criptomoedas?
As razões por trás de sua popularidade são multifacetadas e fascinantes.

Os pagamentos transfronteiriços são um fator que contribui, especialmente devido ao envio frequente de remessas de países como a África do Sul para outros 15 países da SADC, a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral.

A imprevisibilidade nas moedas locais é outra questão. Este ano, o rand sul-africano voltou a se formar como a moeda mais volátil do mundo, o que levou os consumidores a buscar proteção do seu dinheiro.

Os africanos que vivem em outros países do continente também estão a perder a fé em seus bancos centrais, e o nosso país, Angola, não é ecessão, com a alta desvalorização do kwanza e as dificuldades para a aquisição de divisas, situação que já perpetua há mais de 4 anos, muitos angolanos também acreditam que as criptomoedas pode solucionar vários problemas que estamos a enfrentar.

Por outro lado, basta olhar para o Zimbábue, onde os níveis de hiperinflação têm sido abundantes. O Bitcoin se tornou tão popular lá que a demanda está a super drasticamente a oferta, o que significa que o BTC às vezes é negociado com um prêmio considerável pelos preços no resto do mundo. Em junho, o país restabeleceu o dólar zimbabuense após uma ausência de 13 anos e baniu simultaneamente dólares americanos, libras esterlinas e outras moedas estrangeiras. Desconfiado de escassez e instabilidade que atrapalharam a economia no passado, o Zimbábue se tornou um dos maiores mercados crypto do continente, porque alguns consumidores acreditam que Bitcoin e Ether (ETH) são mais confiáveis.

3. Que problemas a tecnologia Blockchain resolveria?
Alguns advogados dizem que há muitos problemas além da volatilidade da moeda, onde as criptos e blockchain podem fazer a diferença.

Além das remessas e da volatilidade da moeda, a inclusão financeira é outro tópico importante em África. Pesquisas do Banco Mundial sugerem que muitos dos 1,7 bilhão de pessoas sem conta bancária do mundo estão no continente, enquanto 2 em cada 3 adultos na África subsaariana não têm acesso a uma conta bancária.

De certa forma, África está melhor preparada para uma mudança para criptomoedas do que outros continentes. O dinheiro móvel já foi um fator-chave na redução do número de adultos não-bancários, e o Banco Mundial diz que o continente é o lar de todos os oito países onde mais de 1 em cada 5 adultos confia apenas em ter conta bancária em um aplicativo de telemóvel. Dado quantos consumidores já estão abertos a usar essa tecnologia, as exchanges de criptomoedas e carteiras que oferecem aplicativos totalmente funcionais para usuários móveis devem se beneficiar imensamente.

O Blockchain também está a mostrar muitas promessas. Como um artigo recente da Cointelegraph explicou, as partes interessadas na região dizem que a tecnologia de contabilidade distribuída será fundamental para resolver problemas de desenvolvimento de longa data e liberar o necessário crescimento econômico. Os políticos nigerianos acreditam que o blockchain conduzirá a quarta revolução industrial do mundo e, pela primeira vez, a África tem a oportunidade de se sentar à mesa. As empresas Fintech em todo o continente estão a crescer substancialmente. Os pontos de acesso incluem a Cidade do Cabo, onde o número de startups em crescimento aumentou 23%, e Nairobi, onde houve um aumento de 28%.

Também há esperança de que a tecnologia blockchain possa ajudar a trazer melhorias dramáticas para a infraestrutura em África. Na Nigéria, as empresas estão a trabalhar juntas para ver se a blockchain pode ser implementada em um esforço para tornar as estradas do país mais seguras. A Serra Leoa tem trabalhado no desenvolvimento de um sistema de identificação baseado em blockchain para seus cidadãos, em meio a esperanças de que as instituições financeiras possam verificar identidades e criar históricos de crédito de uma maneira que antes não era possível. O Uganda também se uniu a uma startup de blockchain para restringir o fornecimento de medicamentos falsificados em todo o país, com relatórios a sugerir que até 10% das receitas médicas resultam em medicamentos falsos.

4. Como está a regulamentação?

Muitos países africanos não estão felizes com a chegada das criptomoedas.

Um punhado de países africanos baniu completamente as criptomoedas, incluindo Marrocos, Argélia, Líbia, Zâmbia e Namíbia. Outros criaram quantidades substanciais de incerteza ao não oferecer uma postura clara, deixando os consumidores em uma área cinzenta.

A África do Sul tem sido um ponto brilhante no continente, onde os reguladores expressaram entusiasmo sobre o potencial das criptomoedas. Instituições oficiais estão a trabalhar em conjunto com empresas de criptomoedas e instituições financeiras para encontrar o melhor caminho a seguir.

Este ano, estão em andamento trabalhos para desenvolver uma estrutura reguladora intergovernamental de criptomoedas, mas o relatório ainda está para ser divulgado. Muitos defensores de criptomoedas continuam a ser incentivados por um documento de posição otimista divulgado pelo South African Reserve Bank em 2014, no qual dizia: “Aumentamos a nossa adopção no mercado, integrando os instrumentos de pagamento convencionais existentes com a moeda virtual conversível descentralizada e promovemos as vantagens inerentes a esses sistemas. Assim, há potencial para crescimento real do Bitcoin em seu ambiente operacional atual. ”

5. Quais são os outros obstáculos?
Além das dores de cabeça regulatórias, as empresas de criptomoedas podem ter dificuldade em ganhar força no continente.
Por que a adoção será um desafio? Principalmente devido ao fato de que pode ser difícil divulgar o potencial das criptomoedas, e alguns consumidores podem se deixar levar por medo de que seja simplesmente técnico demais para usar no dia a dia. Também é justo dizer que o Bitcoin pode não ser a melhor moeda para compras diárias de africanos que estão a se afastar de sua lei local porque é muito volátil.
Também existe um risco real de que o acesso confiável à Internet em todo o continente possa ser superestimado, especialmente considerando que a conectividade fica muito atrás de outras partes do mundo. Além disso, projetos atraentes de criptomoedas e blockchain que são adaptados ao mercado africano dependerão de desenvolvedores e empreendedores que possam entregá-lo, o que significa treinar novos talentos e conhecimentos atraentes de todo o mundo será crucial para melhorar os níveis de adoção convencional.

Conclusão
Acredito que a tecnologia blockchain pode ser muito útil para países emergentes em África, e vários problemas que o nosso país tem afrentado poderiam ser solucionados com a visão certa e a criação de um ambiente sustentável para Angola no que tange as novas tecnologias, com a criação de leis que abram portas à novas startups e o apoio financeiro das instituições governamentais para o alcance de objetivos comuns.  

O post é uma adaptação do post do coin telegraph: Crypto in Africa: Opportunities and Challenges, Explained.

Escreva o seu comentário