Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Empresa Sul-africana Acusada de Fraudar 3,6 Bilhões de Dólares

A AfriCrypt, uma empresa de investimento sul-africana, foi acusada de fraudar cerca de 3,6 bilhões de dólares dos seus investidores após alegar que o seu sistema de comércio foi hackeado.

Segundo um relatório, os directores da AfriCrypt, Ameer Cajee e o seu irmão Raees Cajee, transferiram os fundos investidos na empresa e fugiram para o Reino Unido.

A empresa exigia que os investidores depositassem directamente os fundos via EFT (Transferência Electrónica de Fundos) para uma conta bancária da AfriCrypt, aparentemente criada no banco local FNB.

Sul-africana-Criptomoedas-Bitcoin-afrycoin-empresa-africrypt-empresa-fnb-tribunal-superior-gauteng-

Entretanto, o FNB negou qualquer envolvimento com a AfriCrypt e disse:

O FNB não tem relação bancária com a Africrypt. Devido à confidencialidade do cliente, o FNB não pode fornecer informações sobre contas bancárias específicas.

Os investidores da empresa perderam o acesso ao back-end (parte do sistema responsável por armazenar os dados) depois que a empresa informou o suposto hack.

Lamentamos informar que, devido à invasão recente no nosso sistema, nós, as contas e carteiras dos clientes foram comprometidos.

 

Isso forçou a Africrypt a interromper as operações.

Disse a Africrypt

A Africrypt ainda apelou aos investidores paciência até que a empresa resolvesse o problema.

Pedimos a todos os clientes que sejam pacientes enquanto tentamos resolver a situação. É compreensível que os clientes possam seguir o caminho legal, mas pedimos aos clientes que reconheçam que isso só atrasará o processo de recuperação.

Sul-africana-Criptomoedas-Bitcoin-afrycoin-empresa-africrypt-empresa-fnb-tribunal-superior-gauteng-África-do-sul

Darren Hanekom, advogado responsável pelo caso, em nome dos investidores relatou que o fundo foi submetido a vários servidores da dark web.

O Tribunal Superior de Gauteng South, na África do Sul, concedeu uma ordem de liquidação provisória contra os dois irmãos em favor de cerca de 20 investidores. Os irmãos têm até 19 de julho de 2021 para argumentar contra a liquidação.

O golpe da AfriCrypt é apenas um dos muitos crimes massivos com criptomoedas massivos que decorre na África do Sul.

Por isso, as autoridades a tomarem medidas com o recente lançamento de um documento de posição confirmando que as criptomoedas serão regulamentadas na África do Sul de forma estruturada .


LEIA TAMBÉM


Irão Suspende Actividades da Associação Iraniana de Blockchain

Fique Atento à Protecção de Carteiras de Criptomoedas Contra Ataques Cibernéticos