Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Ethereum 2.0: conheça os prós e os contras da nova proposta de validação.

A proposta de um desenvolvedor Ethereum poderá mudar o processo de validação do blockchain Eth1 e incorporá-lo ao Beacon Chain. As modificações podem apresentar complicações para o setor DeFi.

Atingido o limite de 524.288 ETHs necessários, a implantação do Ethereum 2.0 com fase 0 terá início em 1 de dezembro. Mas, faltam ainda cerca de dois anos para concluir a implantação completa de todas as fases do Eth 2.0. Para a facilidade do processo, Mikhail Kalinin propôs um novo modelo de a interação entre a cadeia Beacon e o Blockchain Eth 1.

Denominada “Executable Beacon Chain,” a proposta reformula a estratégia inicial de manter o blockchain com o consenso da Prova de Trabalho a operar num fragmento dedicado. Kalinin considera que tal “colocaria complexidade desnecessária na camada de consenso” e criaria problemas de acesso aos dados em ETH 1:

Propomos nos livrar dessa complexidade incorporando dados ETH 1 (transações, raiz de estado, etc.) em blocos de beacon e obrigando os proponentes de beacon a produzir dados ETH 1 executáveis. Isso consagra a execução e a validade da ETH 1 como um cidadão de primeira classe no cerne do consenso.

Desta forma, o “motor ETH 1” seria mantido pelos validadores do ETH 2. Cada vez que um validador propõe um bloco, ele interagiria com o mecanismo ETH 1 para criar “dados ETH 1”. Em seguida, a informação seria adicionada ao “corpo do bloco de beacon”. Os dados ETH 1 são inválidos se o bloco ETH 2 for invalidado.

Consequentemente, o blockchain Ethereum 1.0 não funcionaria mais como funciona atualmente. Seus clientes poderiam tornar-se “motores ETH 1” e a “noção de bloco ETH 1” ou a necessidade de manter o protocolo PoW seriam eliminados.  Seriam um componente desnecessário para o processamento de transações. A respeito disso, a proposta afirma o seguinte:

Usamos o termo dados executáveis para denotar dados que incluem a raiz do estado ETH 1, lista de transações (incluindo raiz de recibos e filtro bloom), coinbase, carimbo de data / hora, hashes de bloco e todos os outros bits de dados exigidos pela função de transição do estado ETH 1.

Então, o que pode correr mal para a DeFi de Ethereum?

Resumindo, as tarefas do motor ETH 1 seriam semelhantes às que os desenvolvedores do Ethereum Core planearam para o ETH 1 Shard, diz Kalinin. No entanto, em resposta à proposta, vários desenvolvedores do Ethereum Core levantaram suas vozes e alertaram sobre as dificuldades.

Por exemplo, alguns contratos inteligentes podem parar de funcionar se houver uma mudança na função BLOCKHASH do blockchain Ethereum 1. Isso pode causar dificuldades para o setor Ethereum DeFi e, portanto, para milhares de usuários. Além disso, o desenvolvedor do Ethereum 2.0, Justin Drake, levantou questões adicionais sobre a validação dos dados conforme proposto por Kalinin:

Isso exigiria que os validadores executassem um nó completo ETH 1 para validar. Isso vai contra o objetivo do projeto de permitir que os validadores sejam executados em hardware barato (por exemplo, laptops básicos, NUCs, Raspberry Pis, telefones, etc.). Isso é especialmente relevante para validadores que estão piquetando uma pequena quantidade de ETH por meio de um validador agrupado m-of-n.

O inventor do Ethereum, Vitalik Buterin, parabenizou o trabalho em andamento de Kalinin. No entanto, disse o seguinte sobre o assunto:

(…) Mesmo que os dados executáveis ​​estejam diretamente dentro dos blocos de beacon, eu estaria inclinado a favorecer a manutenção da comunicação entre os dados executáveis ​​e a lógica da cadeia de beacon totalmente assíncrona.

Contribua para a criação da Exchange da nossa comunidade: Crowdfunding da Exchange de Criptomoedas da Comunidade – Yetubit

Leia mais:

Bitcoin pode voltar aos US$ 20 mil, diz colunista da Bloomberg

Brasil adota blockchain para autenticar documentos em cartórios

Escreva o seu comentário

%d bloggers like this: