Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Exchange de criptomoedas Nigeriana processou mais de $ 165 milhões em volume até agora neste ano

Lançado em junho de 2019, a Yellow Card permite que os africanos em casa e no exterior comprem e vendam criptomoedas usando sua moeda local por meio de transferência bancária, dinheiro e dinheiro móvel. O serviço está sendo usado principalmente para remessas, uma indústria multibilionária na África.

O cofundador e CEO da Yellow Card, Chris Maurice, disse que a Nigéria, a maior economia da África e o país mais populoso, representa 50% “do nosso volume actualmente, é nosso mercado mais ativo”.

A empresa tem mais de 35.000 comerciantes no país da África Ocidental. Maurice disse que a aceitação no Quênia e em Camarões, que foi ao ar em setembro após um aumento de capital de US $ 1,5 milhão , é “emocionante”, mas não forneceu números. Na África do Sul e em Botswana, a Yellow Card adicionou 30.000 fornecedores logo após entrar nos mercados alguns meses atrás.

“[O volume de $ 165 milhões] inclui apenas um cliente comprando bitcoin com fiat ou vendendo bitcoin por fiat. Não inflamos nossos números contando todos os depósitos e retiradas de clientes como volume ”, elaborou Maurice.

Ele afirmou que o negócio de remessas de criptomoedas na África “está crescendo rapidamente” e que a competição está aumentando. A Yellow Card está, no entanto, em melhor posição para se manter à frente da concorrência, afirmou Maurice.

“Temos o objetivo de nos tornarmos sinônimo de criptomoeda na África. Acreditamos estar no caminho certo para ver esse objectivo alcançado em um futuro próximo. Temos as melhores taxas e liquidez do continente e queremos garantir que todos em toda a África tenham acesso a essa tecnologia ”, detalhou Maurice.

As remessas de criptomoedas são consideravelmente mais baratas e mais rápidas em comparação com as remessas de fiat. Por exemplo, custa uma fracção de um cêntimo para enviar qualquer quantia de dinheiro através da rede Bitcoin cash. Em comparação, os bancos irão cobrar um braço e uma perna por um serviço semelhante, uma média de 10,89% do montante a ser enviado, de acordo com um novo estudo do Banco Mundial.

Na Nigéria, os cidadãos que vivem no exterior recorreram às criptomoedas para escapar das taxas de câmbio de moeda estrangeira sobrevalorizadas do país impostas pelo Banco Central da Nigéria. Acredita-se que os destinatários percam de 20 a 30% do valor da remessa cada vez que sacam o seu dinheiro.

Em Angola estamos a trabalhar na Yetubit

As transações P2P em Angola também estão em cresimento, vemos isso todos os dias na nossa Comunidade no Facebook. Porém, ainda não temos nenhuma exchange P2P oficial, e maioria das transações são feitas para compra e venda de bitcoin, muitas vezes online. Mas nesse momento estamos a trabalhar para o lançamento da exchange P2P Yetubit para o final desse mês de Dezembro. Para saber mais leia o artigo sobre o Crowdfunding da Yetubit.

Contribua para a exchange da Comunidade: Crowdfunding da Exchange de Criptomoedas da Comunidade – Yetubit

 

%d bloggers like this: