Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

FMI Afirma que Apenas 23% dos Bancos Centrais Podem Criar Uma Criptomoeda Legalmente

Os pesquisadores do Fundo Monetário Internacional (FMI) analisaram as leis de 174 bancos centrais dos seus países membros e concluíram que, de todos os bancos centrais estudados, somente 40 bancos centrais, “têm permissão legal para emitir moedas digitais”, ou seja, apenas 23% de todos os bancos avaliados.

O FMI publicou nesta quinta-feira, 14 de Janeiro, um artigo cujo o titulo questionava se o dinheiro digital é realmente dinheiro no sentido legal. A publicação é de autoria de Catalina Margulis, consultora da unidade de Direito Financeiro e Fiscal do Departamento Jurídico do FMI, e Arthur Rossi, pesquisador da mesma unidade.

Apresentando as suas opiniões sobre o assunto, os autores começaram por dizer que “cerca de 80 por cento dos bancos centrais do mundo não têm permissão para emitir moeda digital de acordo com suas leis existentes ou a estrutura jurídica não é clara”. Eles continuaram:

Para ajudar os países a fazer essa avaliação, revisamos as leis do banco central de 174 membros do FMI … e descobrimos que apenas cerca de 40 têm permissão legal para emitir moedas digitais.

FMI afirma que apenas 23% dos bancos centrais podem emitir legalmente moedas digitais

Antes da publicação no blog da organização, o FMI fez uma pesquisa no Twitter perguntando às pessoas se moedas digitais são realmente dinheiro. De 95.256 votos recolhidos, 79,9% disseram que sim.

FMI afirma que apenas 23% dos bancos centrais podem emitir legalmente moedas digitais

O que se qualifica como moeda?

FMI afirma que apenas 23% dos bancos centrais podem emitir legalmente moedas digitais

“Para qualificar-se legalmente como moeda, segundo os pesquisadores do FMI, um meio de pagamento deve ser considerado como tal pelas leis do país e ser denominado na sua unidade monetária oficial. Uma moeda normalmente tem curso legal, o que significa que os devedores podem pagar suas obrigações transferindo-a para os credores.” Eles explicaram:

Portanto, o status de curso legal geralmente só é concedido a meios de pagamento que podem ser facilmente recebidos e usados pela maioria da população. É por isso que as notas e moedas são a forma mais comum de moeda.

Os autores disseram ainda que, para “usar moedas digitais, a infraestrutura digital, isto é, computadores, smartphones e conectividade, deve primeiro estar em vigor”. Mas, “os governos não podem impor aos seus cidadãos que o tenham, então, conceder o status de curso legal a um instrumento digital do banco central pode ser um desafio”.

Entre as áreas de preocupação para a criação de uma moeda digital de um banco central, segundo o grupo técnico do FMI, estão: “impostos, propriedades, contratos e leis de insolvência; sistemas de pagamentos; privacidade e proteção de dados; mais fundamentalmente, prevenir a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo ”, explicaram os pesquisadores do FMI.

Não obstante a noção de que “sem a designação de curso legal, alcançar o status de moeda plena pode ser igualmente desafiador”, os pesquisadores realçaram que “muitos meios de pagamento amplamente utilizados nas economias avançadas não têm curso legal nem moeda”.


LEIA TAMBÉM


Assassinos Contratados na Rússia Aceitam Criptomoedas como Pagamento por Seus Serviços, Dizem os Investigadores

Programador Francês Enviou Bitcoins Para Activistas Pró Trump que Participaram dos Protestos no Capitólio

%d bloggers like this: