Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Web 3.0: A Internet Descentralizada | Guia Completo

A Web 3.0 é a próxima, terceira geração da Internet, onde sites e aplicativos serão capazes de processar informações de uma forma humana inteligente por meio de tecnologias como aprendizado de máquina (ML), Big Data

Algo Novo

Web 3

Imagine um novo tipo de Internet que não apenas interpreta com precisão o que você insere, mas realmente entende tudo o que você transmite, seja por texto, voz ou outra mídia, em que todo o conteúdo que você consome é mais personalizado do que nunca. Estamos no ponto crítico de uma nova fase na evolução da internet. Alguns pioneiros o chamam de Web 3.0.

Indiscutivelmente, existem alguns aplicativos da Web 3.0 em estágio inicial que já existem hoje, mas até que a nova Internet seja totalmente incorporada na infraestrutura da Web, seu verdadeiro potencial não pode ser observado.

Mas o que exatamente é a Web 3.0, como será e como mudará nossas vidas?

Web 3

A Web 3.0 foi originalmente chamada de Web Semântica pelo inventor da World Wide Web Tim Berners-Lee, e tinha como objetivo ser uma Internet mais autônoma, inteligente e aberta.

A definição da Web 3.0 pode ser expandida da seguinte forma: os dados serão interconectados de forma descentralizada, o que seria um grande salto para a nossa geração atual da internet (Web 2.0), onde os dados são armazenados principalmente em repositórios centralizados.

Além disso, usuários e máquinas poderão interagir com os dados. Mas para que isso aconteça, os programas precisam entender as informações tanto conceitual quanto contextualmente.

Com isso em mente, os dois pilares da Web 3.0 são a web semântica e a inteligência artificial (IA).

Web 3.0, criptomoedas e blockchain

Web 3.0, criptomoedas e blockchain

Como as redes Web 3.0 operam por meio de protocolos descentralizados – que são os fundadores da tecnologia de blockchain e criptomoedas – podemos esperar uma forte convergência e relacionamento simbiótico entre essas três tecnologias e outros campos.

Eles serão interoperáveis, perfeitamente integrados, automatizados por meio de contratos inteligentes e usados para alimentar qualquer coisa, desde micro transações na África, armazenamento de arquivos de dados P2P resistentes à censura e compartilhamento com aplicativos como o Filecoin, até mudar completamente a conduta de cada empresa e operar seus negócios. A atual quantidade de protocolos DeFi é apenas a ponta do iceberg.

Tecnologias da Web 3.0

Web 3

Existem alguns detalhes que precisamos ter em mente ao examinar a tecnologia da Web 3.0. Em primeiro lugar, o conceito não é novo. Jeffrey Zeldman, um dos primeiros desenvolvedores de aplicativos da Web 1.0 e 2.0, escreveu uma postagem no blog colocando seu apoio na Web 3.0 em 2006. Mas as conversas sobre esse tópico começaram já em 2001.

Evolução das tecnologias da Web 3.0

A Web 3.0 nascerá de uma evolução natural de ferramentas da web de geração mais antiga combinadas com tecnologias de ponta como Inteligência Artificial e Blockchain, bem como a interconexão entre usuários e o aumento do uso da Internet.

Aparentemente, a Internet 3.0 é uma atualização de seus precursores: web 1.0 e 2.0.

Web 1.0 (1989-2005)

Web 1 web 3

A Web 1.0, também chamada de Web estática, foi a primeira e mais confiável Internet na década de 1990, apesar de oferecer acesso a informações limitadas com pouca ou nenhuma interação do usuário. Antigamente, criar páginas de usuário ou mesmo comentar artigos não era uma coisa.

A Web 1.0 não tinha algoritmos para filtrar as páginas da Internet, o que tornava extremamente difícil para os usuários encontrar informações relevantes.

Simplificando, era como uma rodovia de mão única com uma trilha estreita onde a criação de conteúdo era feita por poucos selecionados e as informações vinham principalmente de diretórios.

Web 2.0 (atual 2005)

Web 3

A Web Social, ou Web 2.0, tornou a internet muito mais interativa graças aos avanços nas tecnologias da web como Javascript, HTML5, CSS3, etc., que permitiram que empresas construíssem plataformas interativas da web como YouTube, Facebook, Wikipedia e muito mais.

Isso pavimentou o caminho para que as redes sociais e a produção de conteúdo gerado pelo usuário florescessem, uma vez que os dados agora podem ser distribuídos e compartilhados entre várias plataformas e aplicativos.

O conjunto de ferramentas nesta era da internet foi lançado por uma série de inovadores da web, como o já mencionado Jeffrey Zeldman.

Web 3.0 (ainda por vir)

Web 3

A Web 3.0 é o próximo estágio da evolução da web que tornaria a internet mais inteligente ou processaria informações com inteligência quase humana por meio do poder de sistemas de Inteligência Artificial que poderiam executar programas inteligentes para auxiliar os usuários.

Tim Berners-Lee disse que a Web Semântica foi criada para interagir “automaticamente” com sistemas, pessoas e dispositivos domésticos. Como tal, a criação de conteúdo e os processos de tomada de decisão envolverão humanos e máquinas.

Isso permitiria a criação e distribuição inteligente de conteúdo altamente personalizado, direto para todos os consumidores da Internet.

Principais recursos da Web 3.0

Para realmente entender o próximo estágio da Internet, precisamos dar uma olhada nos quatro principais recursos da Web 3.0:

  • Ubiquidade
  • Web Semântica
  • Inteligência artificial
  • Gráficos 3D

Ubiquidade

Ubiquidade significa estar ou ter a capacidade de estar em todos os lugares, principalmente ao mesmo tempo. Em outras palavras, onipresente.

A Web 2.0 já é onipresente: um usuário do Facebook pode capturar instantaneamente uma imagem e compartilhá-la, o que se torna onipresente, pois está disponível para qualquer pessoa, não importa onde esteja, desde que tenha acesso ao Facebook.

A Web 3.0 simplesmente leva isso um passo adiante, tornando a Internet acessível a todos, em qualquer lugar, a qualquer hora.

Em algum momento, os dispositivos conectados à Internet não estarão mais concentrados em computadores e smartphones como na Web 2.0, uma vez que a tecnologia IoT (Internet of Things) trará uma infinidade de novos tipos de dispositivos inteligentes.

Web Semântica

A Semântica é o estudo da relação entre palavras.

Portanto, a Web Semântica, de acordo com Berners-Lee, permite que os computadores analisem cargas de dados da Web, o que inclui conteúdo, transações e links entre pessoas.

Na prática, como isso ficaria? Vamos pegar essas duas frases, por exemplo:

Eu amo bitcoin

Eu <3 Bitcoin

Sua sintaxe pode ser diferente, mas sua semântica é praticamente a mesma, já que a semântica lida apenas com o significado ou a emoção do conteúdo.

A aplicação da semântica na Web permitiria às máquinas decodificar significados e emoções por meio da análise de dados.

Consequentemente, os usuários da Internet terão uma experiência melhor impulsionada pela conectividade de dados aprimorada.

Inteligência Artificial

A Wikipedia define Inteligência Artificial como inteligência demonstrada por máquinas.

E como as máquinas da Web 3.0 podem ler e decifrar o significado e as emoções transmitidas por um conjunto de dados, elas geram máquinas inteligentes.

Embora a Web 2.0 apresente recursos semelhantes, ainda é predominantemente de base humana, o que abre espaço para comportamentos corruptos, como avaliações de produtos tendenciosas, classificações fraudulentas, etc.

Por exemplo, plataformas de avaliação online como a Trustpilot fornecem uma maneira para os consumidores avaliarem qualquer produto ou serviço. Infelizmente, uma empresa pode simplesmente reunir um grande grupo de pessoas e pagá-las para criar avaliações positivas sobre seus produtos indignos. Portanto, a Internet precisa de Inteligência Artificial para aprender a distinguir o genuíno do falso, a fim de fornecer dados confiáveis.

O sistema de Inteligência Artificial do Google removeu recentemente cerca de 100.000 avaliações negativas do aplicativo Robinhood da Play Store após o desastre de negociação do Gamespot, quando detectou tentativas de manipulação de classificação com a intenção de votar artificialmente contra o aplicativo.

Esta é a Inteligência Artificial em ação, que em breve se encaixará perfeitamente na Internet 3.0, permitindo que blogs e outras plataformas online filtrem dados e os adaptem ao gosto de cada usuário. À medida que a Inteligência Artificial avança, ela será capaz de fornecer aos usuários os melhores dados filtrados e imparciais possíveis.

Web espacial e gráficos 3D

Alguns futuristas também chamam a Web 3.0 de Web Espacial, pois visa confundir o espaço entre o físico e o digital, revolucionando a tecnologia gráfica, trazendo um foco claro aos mundos virtuais 3D.

Ao contrário de suas contrapartes 2D, os gráficos 3D trazem um novo nível de imersão não apenas em aplicativos de jogos futuristas como Decentraland, mas também em outros setores, como imobiliário, saúde e comércio eletrônico.

Aplicativos Web 3.0

Um requisito comum para um aplicativo Web 3.0 é a capacidade de digerir informações em grande escala e transformá-las em conhecimento factual e execuções úteis para os usuários.

Com isso dito, esses aplicativos ainda estão em seus estágios iniciais, o que significa que eles têm muito espaço para melhorias e estão muito longe de como os aplicativos da Web 3.0 poderiam funcionar.

Algumas das empresas que estão construindo ou têm produtos que estão transformando em aplicativos da Internet 3.0 são Amazon, Apple e Google. Dois exemplos de aplicativos que utilizam tecnologias Web 3.0 são Siri e Wolfram Alpha.

Siri

Siri

Ao longo dos anos, a assistente de Inteligência Artificial controlada por voz da Apple se tornou mais inteligente e expandiu suas habilidades desde sua primeira aparição no modelo do iPhone 4S.

A Siri usa o reconhecimento de voz, junto com a inteligência artificial, para executar comandos complexos e personalizados.

Hoje, a Siri e outros assistentes de Inteligência Artificial como Alexa da Amazon e Bixby da Samsung podem entender solicitações como “onde fica a lanchonete mais próxima” ou “marcar um encontro com Sasha Marshall às 8h para amanhã” e imediatamente apresentar as informações corretas ou ação.

Wolfram Alpha

Wolfram Alpha

O Wolfram Alpha é um “mecanismo de conhecimento computacional” que responde às suas perguntas diretamente por computação, em vez de fornecer uma lista de páginas da web como os motores de busca fazem.

Se você quiser uma comparação prática, pesquise “inglaterra vs brasil” no Wolfram Alpha e no Google e veja a diferença.

O Google fornece os resultados da Copa do Mundo mesmo que você não inclua “futebol” como palavra-chave, pois é a pesquisa mais popular. Alpha, por outro lado, daria a você uma comparação detalhada dos dois países, como você pediu. Essa é a principal diferença entre a Web 2.0 e 3.0.

Reflexões finais

A nova internet proporcionará uma experiência de navegação mais pessoal e personalizada, um assistente de busca mais inteligente e mais humano e outros benefícios descentralizados que se espera que ajudem a estabelecer uma web mais justa.

Isso será alcançado capacitando cada usuário individual a se tornar um soberano sobre seus dados e criando uma experiência geral mais rica, graças à miríade de inovações que virão assim que estiverem em vigor.

Quando a Web 3.0 inevitavelmente chegar – por mais difícil que seja entender, considerando como os dispositivos inteligentes já mudaram nossos padrões de comportamento – a internet se tornará exponencialmente mais integrada em nossas vidas diárias.

Veremos quase todas as máquinas normalmente off-line de hoje, por exemplo eletrodomésticos como fornos, aspiradores e geladeiras e todos os tipos de transporte, tornando-se parte da economia da IoT (Internet of Things), interagindo com seus servidores autônomos e aplicativos descentralizados (DApps), avançando em novos domínios digitais como blockchain e ativos digitais para alimentar uma miríade de novos “milagres” tecnológicos para o século 21.


LEIA TAMBÉM


Samsung Integra Plataformas de NFTs nas Suas Novas Linhas de TV

CEO da Binance: Sistemas Centralizados São Essenciais Para as Criptomoedas

%d bloggers like this: